Milt Jackson’s Bluesology on vibes and bass

Publicado: 01/05/2007 em Jazz, Milt Jackson's

Milt Jackson’sMilt Jackson, apelidado “Bags”, é indubitavelmente o principal vibrafonista do jazz pós-swing, e talvez o maior de todo o jazz. Nascido em Detroit, em 1923, começou tocando violão e piano, antes de se decidir pelo vibrafone na adolescência. Em 1945, fazendo parte de um grupo de Detroit, encontrou-se com Dizzy Gillespie pela primeira vez. Depois foi chamado por Dizzy para seu sexteto em New York, e também para a sua big band. Ou seja, Bags esteve presente na cena bebop desde seus primórdios, e foi o primeiro vibrafonista a dominar o novo estilo.

O nome de Bags está indissoluvelmente ligado a essa verdadeira instituição do jazz que se chama Modern Jazz Quartet. Participou do grupo desde a sua origem, em 1952, quando a formação ainda não era a definitiva. Bags era o elemento de impacto, o homem de ponta do MJQ. Como diz Bruno Schiozzi, “ele cresceu entre as tórridas sintaxes do bebop, homem de jam sessions por natureza e vocação”. Em comparação com o som de seus parceiros, o fraseado ágil e incisivo de Bags poderia parecer inadequado para o austero conjunto. Mas só aparentemente. Na realidade, completava maravilhosamente o som geral do grupo. O enfant terrible Jackson era o parceiro perfeito para o enfant gâté Lewis. O contexto sonoro proporcionado por John Lewis, Percy Heath e Connie Kay, permite, ainda, apreciar quão elegante e equilibrada é, na realidade, a música de Milt Jackson.

Além das gravações com o MJQ, Jackson realizou também várias gravações sob seu próprio nome.

Bags logrou estabelecer o vibrafone dentro do ambiente competitivo do bebop. Sua música é um modelo de competência e consistência, um paradigma de virtuosismo, criatividade e elegância. Ao mesmo tempo que experimentava formatos novos e sofisticados dentro da estética da third stream, Bags se mantinha fiel às raízes do blues. Ao mesmo tempo que seu vibrafone amiúde explode veloz e nervoso nas composições mais rápidas, também se mantém expressivo e nobre nas baladas.

Essa vida toda dedicada ao jazz da mais alta qualidade fez com que Bags se tornasse uma unanimidade entre a crítica jazzística. Em 1997 Milt Jackson recebeu, juntamente com Billy Higgins e Anita O’Day, o prêmio “American Jazz Master” do National Endowment for the Arts, o mais importante prêmio de jazz dos EUA, que é concedido somente aos maiores nomes.

(V.A. Bezerra, 2001) Texto extraído do excelente site EJazz.

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s