Dream Theater

Publicado: 16/05/2007 em Dream Theater, Metal Progressivo

Dream TheaterDream Theater é uma banda de metal progressivo originária nos Estados Unidos e formada em meados dos anos 80. Tornaram-se numa das bandas do movimento progressivo mais bem sucedidas desde o auge do rock progressivo em meados dos anos 70.

A banda é conhecida pela qualidade técnica de cada um de seus integrantes, tendo ganho vários prémios por revistas especializadas. São muito respeitados por grandes nomes do rock e metal, tendo colaborado com vários outros músicos de renome. Em um exemplo famoso, John Petrucci foi nomeado como o terceiro guitarrista do G3, juntamente com Steve Vai e Joe Satriani, seguindo a trilha de guitarristas como Eric Johnson, Robert Fripp e Yngwie Malmsteen.

Dream Theater também é conhecido por sua versatilidade em estilos musicais, o que tornou possível à banda entrar em tournée com diversas bandas, que incluem Frank Zappa, Deep Purple, Emerson Lake and Palmer, Iron Maiden, Joe Satriani, Marillion, Megadeth, In Flames, Pain of Salvation, Porcupine Tree, Queensrÿche, Fear Factory, Enchant, Symphony X, Pink Floyd e Yes.

O Início

A banda foi fundada em meados da década de 80 por integrantes do Colégio de Música de Berklee, em Boston. Inicialmente formado por John Petrucci (guitarra) e John Myung (baixo), que depois conheceram Mike Portnoy (bateria) e decidiram fundar uma banda. Chamando, depois, para completar a banda o vocalista Chris Collins e o tecladista Kevin Moore. Inicialmente, o nome da banda foi Majesty, mas já existia uma banda de jazz com esse nome. Então por sugestão do pai de Mike (o baterista), deram a banda o nome de Dream Theater (nome de uma sala de espetáculos na Califórnia).

1988-1994

Lançaram sua primeira demo com seis músicas, uma amostra de seu metal progressivo com referências da música clássica que influenciaria muitas bandas no futuro. Após isso eles demitem o vocalista Chris Collins, que não conseguiu se adaptar ao estilo que a banda procurava. Para substituí-lo chamaram Charlie Dominici, e com essa formação gravaram o primeiro disco da banda, intitulado When Dream and Day Unite. O disco foi bem aceito pela crítica e bem difundido nas rádios, que possibilitou um reconhecimento dos fãs e shows em pequenos clubes, sempre lotados.

Novamente, por diferenças musicais, despediram seu vocalista. Por um bom tempo não tiveram um vocalista fixo, mas mesmo assim não cessaram de compor novas músicas, nem de fazer apresentações mesmo instrumentais. As músicas instumentais compostas dariam origem ao álbum Images and Words. Nesse período pela banda passaram no vocal John Arch, Steve Stone e Chris Cintron. Mas finalmente surgiria o vocalista ideal. Era Kevin Labrie, o vocalista da banda canadense Winter Rose. A partir de então se juntou a banda adotando o nome de James Labrie, no intuito de não deixar a banda com dois Kevins e dois Johns.

Em 1991, lançaram o Images and Words e então foram convidados para abrir alguns shows do Iron Maiden. Tiveram uma excelente recepção pela MTV e estouraram as vendas de “Images and Words” no Japão, levando a banda a fazer sua primeira turnê mundial. Quando estavam gravando o terceiro disco o tecladista Kevin Moore resolveu abandonar a banda para seguir carreira solo. Sem um substituto para Kevin, terminaram as gravações de Awake (álbum que contém a faixa “The Silent Man”) (900.000 cd’s vendidos), que rapidamente conquistou o mercado americano e europeu. Pouco depois o lugar de Moore seria ocupado por Derek Sherinian (que havia tocado com o Kiss e Alice Cooper).

1995-1998

Em 1995 foi lançado o EP Change of Seasons, contendo a gigantesca faixa homônima (com seus 23:09 minutos) e ainda alguns covers ((Funeral For a Friend/Love Lies Bleeding, de Elton John, “Perfect Strangers”, do Deep Purple, as fusões de The Rover, Achilles Last Stand e The Song Remains The Same, do Led Zeppelin, e de In The Flesh?, Carry On Wayard Son, Bohemian Rhapsody, Lovin Touchin, Squeezin, Cruise Control e Turn It On Again, respectivamente do Pink Floyd, Kansas, Queen, Journey, Dixie Dregs e Genesis) gravados ao vivo no Ronnie Scott’s Jazz Club, em Londres.

O quarto álbum, Falling into Infinity, chegou em 1997 com músicas um pouco mais melódicas, não tão agressivas quanto Awake. O disco apresenta um Dream Theater mais focado em canções ( com passagens instrumentais tradicionais ainda ) e acessibilidade devido a pressão da gravadora para que a banda tivesse sucesso comercial. O tiro saiu pela culatra, embora o disco mesmo em suas canções mais acessíveis seja excelente. Na verdade, é incorreto dizer que Derek Sherinian influenciou a banda a compor canções mais comerciais, já que ele compôs as partes mais técnicas do álbum. Basta também ver os discos solo do tecladista. No entanto, conforme já mencionado trata-se de um álbum excelente. Antes do disco sair, a banda entrou em tour, inclusive passando pelo Brasil, em 1997.

Em 1998, a banda lançou seu segundo disco ao vivo, Once In a Live Time. Um vídeo, nomeado 5 Years in a LiveTime surgiu também, com os principais momentos da banda nos últimos 5 anos. Após isso, o Dream Theater revelou que estava trocando de tecladista, alegando que com o disco ao vivo estavam encerrando uma fase de sua história e, por fim, inserindo Jordan Rudess no lugar de Derek.

1999 e a repercussão de Scenes From a Memory

Em Outubro de 1999, foi lançado Scenes From a Memory, um álbum descrito por Mike Portnoy como algo que ele sempre quis fazer. O álbum teve grande sucesso e repercussão.

Durante a turnê mundial a banda gravou, em Nova York, um DVD contando com uma super-produção, com direito a corais, convidados e telão. O show, de três horas e meia, seria lançado com um CD triplo. A data do lançamento, infelizmente, coincidiu com os atentados de 11 de Setembro de 2001, e mais infelizmente ainda, a capa do CD trazia as torres gêmeas dentro de chamas. Todos os CDs foram recolhidos e a capa refeita, trazendo o símbolo da banda no lugar da maçã e das torres.

2002-2005

Mas isso não abalou a criatividade da banda, que se fechou para gravar um novo álbum, um disco duplo, experimental e controverso, intitulado Six Degrees of Inner Turbulence, lançado em 2002. Trazia músicas bem extensas no primeiro CD, e um épico impressionate de 42 minutos de duração, dividido em 8 partes no segundo CD.

Show da turnê do Train of Thought


Show da turnê do Train of Thought

Após a turnê mundial do álbum ser bem sucedida, lançaram, no final de 2003, o álbum Train of Thought, que, como o álbum anterior muda um pouco a linha musical da banda, levando a crítica severas de fãs antigos. Um álbum mais pesado do que os álbuns anteriores, não deixando o progressivo, nem a virtuosidade e a técnica da banda, destancando as faixas Endless Sacrifice e In the Name of God.

A banda, ao vivo, em Roma em 2004


A banda, ao vivo, em Roma em 2004

Em 2004 novamente o Dream Theater realiza gravações ao vivo, e lança um DVD e álbum triplo Live at Budokan. Gravado no Budokan Hall, em Tokyo – Japão. O DVD traz as principais faixas do álbum Train of Thought e faixas dos outros álbuns, dando destaque para um medley instrumental mostrando toda a técnica e destreza dos integrantes da banda chamado de Instrumedley, que passa por trechos de várias músicas instrumentais do Dream Theater, inclusive por algumas do Liquid Tension Experiment, projeto paralelo dos membros da banda.

Em meados de 2005 a banda lança seu oitavo álbum, Octavarium, marcando vinte anos da existência da banda, caracterizado como algo “incrivelmente lindo” pelo baterista Mike Portnoy. Destaque para mais uma música épica, Octavarium, com seus 24 minutos. Em dezembro do mesmo ano, o DT voltou ao Brasil com 3 shows.

A banda que no dia 1° de abril de 2006 gravou um DVD em Nova York para comemorar seus 20 anos de carreira surprendeu o publico tocando clássicos e músicas do último CD com a presença de uma orquestra, o DVD foi lançado dia 29 de agosto do mesmo ano, entitulado Score.

Projetos paralelos

No fim dos anos 90, os projetos paralelos dos integrantes começaram a surgir. O mais conhecido foi o Liquid Tension Experiment, formado por Petrucci, Portnoy, Jordan Rudess (na época pertencia ao Dixie Dregs) e Tony Levin (King Crimson). A idéia foi do baterista Mike Portnoy que tinha a intenção de fazer algo diferente juntando o progressivo, heavy metal e um pouco de fusion marcado por jam´s bem divertidas. O 1° cd da banda foi feito nada mais do que em 1 semana.

John Myung participou de um projeto paralelo com Derek Sherinian, ao Platypus e no Gordian Knot, além de ter uma banda chamada The Jelly Jam que contém dois cds, tocados de um refinado Rock Progressivo. Petrucci, Portnoy e Rudess gravaram o segundo álbum do LTE (também em uma semana), e Portnoy ainda teve tempo de participar do Transatlantic, junto a músicos do Marillion e Spock’s Beard. James Labrie, não ficando para trás, lançou Mullmuzzler em 2005 lançou o seu álbum solo Elements of Persuasion, assim como John Petrucci após ter feito turnes no ja conhecido G3 junto de Joe Satriani e Steve Vai, lançou seu primeiro álbum solo Suspended Animation. Derek ex-integrante formou o Planet-X, uma banda de fusion com outros renomados musicos e participações especiais, ja o atual tecladista Jordan Rudess ja debutava de uma carreira solo de diversos cds.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s