A voz de veludo que seduziu a América

Publicado: 08/10/2007 em Folha de São Paulo, Jazz, Nat King Cole

HELTON RIBEIRO
Colaboração para Folha Online

A matéria baixo foi publicada na Folha. Acesse aqui, leia o original e compre a coleção, é imperdível.

cover-1-150x140.jpg

Ele não foi apenas um cantor de sucessos populares, mas também um grande jazzista. Seu estilo elegante e a voz de veludo influenciaram artistas tão diversos como Oscar Peterson, Diana Krall, Chuck Berry, Ray Charles e Otis Redding.

Nathaniel Adams Coles nasceu em 17 de março de 1917 (algumas fontes registram 1919) em Montgomery, Alabama. A família era pobre, mas musical. Ainda criança, ele aprendeu a tocar piano com a mãe. Suas primeiras gravações, em 36, foram no grupo do irmão Eddie, contrabaixista (outro irmão, Freddy, é hoje um cantor renomado).

No ano seguinte, ele formou o King Cole Trio com o guitarrista Oscar Moore e o baixista Wesley Prince (mais tarde substituídos). Com esse grupo sem bateria, e já cantando, ele começou em 39 a gravar seus primeiros sucessos. Em rápida ascensão, atingiu duas vezes o topo da parada de rhythm & blues em 43, com “That Ain’t Right” e “All for You”. Em 46, “(I Love You) For Sentimental Reasons” foi número um na parada pop, assim como seu primeiro LP, “The King Cole Trio”.

Somando quase 80 músicas de sucesso desde esse período até os anos 60, ele rivalizou com Frank Sinatra, algo excepcional para um artista negro numa época de discriminação racial. Cole foi o primeiro negro a ter um programa semanal na televisão americana e fez vários filmes, como “St. Louis Blues” e “Blue Gardenia”.

Em 50 nasceu sua filha Natalie, que também se tornou cantora de sucesso. Em 15 de fevereiro de 65, Nat morreu de câncer no pulmão, em Santa Monica, Califórnia.

Ele não foi apenas um cantor de sucessos populares, mas também um grande jazzista. Seu estilo elegante e a voz de veludo influenciaram artistas tão diversos como Oscar Peterson, Diana Krall, Chuck Berry, Ray Charles e Otis Redding.

Nathaniel Adams Coles nasceu em 17 de março de 1917 (algumas fontes registram 1919) em Montgomery, Alabama. A família era pobre, mas musical. Ainda criança, ele aprendeu a tocar piano com a mãe. Suas primeiras gravações, em 36, foram no grupo do irmão Eddie, contrabaixista (outro irmão, Freddy, é hoje um cantor renomado).

No ano seguinte, ele formou o King Cole Trio com o guitarrista Oscar Moore e o baixista Wesley Prince (mais tarde substituídos). Com esse grupo sem bateria, e já cantando, ele começou em 39 a gravar seus primeiros sucessos. Em rápida ascensão, atingiu duas vezes o topo da parada de rhythm & blues em 43, com “That Ain’t Right” e “All for You”. Em 46, “(I Love You) For Sentimental Reasons” foi número um na parada pop, assim como seu primeiro LP, “The King Cole Trio”.

Somando quase 80 músicas de sucesso desde esse período até os anos 60, ele rivalizou com Frank Sinatra, algo excepcional para um artista negro numa época de discriminação racial. Cole foi o primeiro negro a ter um programa semanal na televisão americana e fez vários filmes, como “St. Louis Blues” e “Blue Gardenia”.

Em 50 nasceu sua filha Natalie, que também se tornou cantora de sucesso. Em 15 de fevereiro de 65, Nat morreu de câncer no pulmão, em Santa Monica, Califórnia.

Nat King Cole sofreu na carne o ódio racial que imperou nos Estados Unidos até os anos 60. Em um show no Alabama, em 1956, membros de um grupo intitulado “Conselho dos Cidadãos Brancos” subiram ao palco e o agrediram pelo simples fato de ele ser um negro famoso.

Seu programa semanal de televisão na NBC durou pouco mais de um ano, porque não havia empresas dispostas a anunciar em um programa apresentado por um negro.

Apesar disso, Cole não militou no movimento pelos direitos civis, mas enfrentou a discriminação a seu modo. Processou hotéis que lhe negaram hospedagem e escolheu para morar em um bairro rico de Los Angeles –até então, exclusivamente branco.

Na música, ele também enfrentou resistências. Ao trocar o jazz por canções populares, nos anos 40, os críticos e os jazzófilos torceram o nariz. Mas o fato é que seu famoso trio mostrou uma saída quando o jazz caía no ostracismo. As big bands estavam sendo desmanteladas devido ao alto custo, e o bebop ainda não tinha conquistado o público.

Sites Relacionados

  • www.nat-king-cole.org – site oficial da organização sem fins lucrativos Nat King Cole Society. O conteúdo é limitado: pouco mais que uma curta biografia de fácil leitura e discografia parcial.
  • www.allmusic.com – o guia de música tem mais de cem samples para ouvir e alguns vídeos, além de acurada biografia.
  • www.geocities.com/blackprincess123 – o site de um fã tem trechos de quase 50 músicas para ouvir, biografia, discografia parcial, letras de músicas, galeria de fotos e chat.

A matéria acima foi publicada na Folha. Acesse aqui, leia o original e compre a coleção, é imperdível.
Acesse o Podcast do My Band’s clicando na imagem abaixo

images.jpg

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s