Made in Brazil


pp.jpgpp.jpg

Resolvi criar esta página no Blog My Bands para divulgar as Bandas Brasileiras de Rock, Jazz, Blues e outros estilos. Vamos mostrar ao mundo todo infinito talento do Brasil para a música.

Decided to create this page on Blog My Bands to disseminate the Brazilian bands of rock, jazz, blues and other styles. Let us show the world infinite talent for the music of Brazil.

Decidió crear esta página en Blog My Bands de difundir la brasileña bandas de rock, al jazz, blues y otros estilos. Debemos demostrar al mundo infinito talento para la música de Brasil.

A décidé de créer cette page sur Blog My Bands de diffuser les bandes brésilien de rock, jazz, blues et autres styles. Ne nous montrer au monde infini talent pour la musique du Brésil.

Ha deciso di creare questa pagina sul mio Blog My Bands per diffondere il brasiliano bande di rock, il jazz, blues e altri stili. Dobbiamo mostrare al mondo infinito talento per la musica del Brasile.

Beschlossen, auf dieser Seite Blog My Bands zur Verbreitung der brasilianischen Bands von Rock, Jazz, Blues und anderen Stilen. Lassen Sie uns der Welt zeigen, unendlichen Talent für die Musik von Brasilien.

Постановила создать на этой странице Мой блог Бандс распространять Бразилии диапазонов породы, джаза, блюза и других стилей. Давайте покажем всем мире бесконечного таланта к музыке Бразилии.

このページの上のブログを作成することを決めた私は、ブラジルのバンドのバンドを広めるのロック、ジャズ、ブルースやその他のスタイルします。表示してみよう世界の無限の才能を持ってブラジルの音楽をします。

决定建立此页关于博客我的乐队,以传播巴西乐队的摇滚,爵士,蓝调等风格。让我们表现出世界无限人才,为音乐的巴西。

이 페이지에 대한 블로그를 작성하기로 결정 내 밴드를 유포 브라질 밴드의 록, 재즈, 블루스와 다른 스타일입니다. 이제 우리의 음악에 대한 재능을 보여주는 세계 무한 브라질.

O My Bands é um blog que cresce dia-a-dia e é reconhecido na Europa e USA como sendo um top blog de música.

Por este motivo, considero que o My Bands é um ótimo espaço para o artísta – músico brasileiro – que faz um som da melhor qualidade, divulgar aqui os seus trabalhos.
My Band’s abre espaço para as bandas nacionais que desejarem aparecer no Blog My Bands e no Podcast My Bands.

As bandas e músicos interessados, devem:

  1. Assinar nossa Newsletter;
  2. Enviar um e-mail para mybands@television.com.br contendo as iformações: Link para o release + Link para o vídeo e ou áudio para que possamos publicar no Blog e no Podcast.

É absolutamente free.
Acesse o Podcast do My Band’s clicando na imagem abaixo

images.jpg

Yamandu Costa

Ruffus The Band

Ruffus The BandA Ruffus The Band formada em 2004, tem uma proposta um tanto radical: somente interpretar o blues tradicional e negro. A banda é inspirada na trajetória do bluesman que deixa o delta do Mississippi em direção a Chicago. Ele leva o seu blues rural, acústico – somente voz violão e footstomp. Em Chicago, é logo contaminado pela vertente elétrica. Seu blues torna-se urbano. Ele troca o violão pela guitarra e o footstomp pelo resto da banda. É um bluesman que sente saudade da sua terra natal, mas tem de visitar outras para divulgar o seu blues e poder viver. Só que ele jamais se esqueceu do Delta. Suas performances são de blues urbano e elétrico, porém sem fusão com outros estilos musicais, pois sua alma é rural e acústica. Ele homenageia e perpertua suas origens musicais, tal qual Muddy Waters, Howlin’ Wolf, Magic Sam, Otis Rush, Sonny Boy Williamson, John Lee Hoocker, Albert King, Rufus Thomas e Magic Slim o fizeram.

A Ruffus The Band procura manter-se dentro desse estilo, numa proposta única no circuito do blues brasileiro, tão influenciado por outras vertentes e artistas, inclusive os ingleses e brancos. Os integrantes para esta tarefa são: o vocalista e guitarrista sólo Gilberto “Byblos” Moufarrege, o baixista e vocalista Paulo “Big Blue” Ferreira, o guitarrista base Maurício “Mr. V8” Moutinho e o baterista Daniel “Doctor” Vanetti. No repertório, clássicos tratados com o espírito de tributo ao velho bluesman da encruzilhada entre o Mississippi e Chicago, como 19 Years Old e Mannish Boy (Muddy Waters), Things I Used to Do (Guitar Slim), All Your Love (Otis Rush), Five Long Years (Eddie Boyd), Walking The Dog (Rufus Thomas), Crosscut Saw e Born Under a Bad Sign (Albert King).

A banda interpreta o “blues & nothing but the blues”, mantendo se distante de qualquer influência de outras vertentes !

Este texto foi retirado do site oficial da banda. Acesse o site clicando aqui

Otis Rush’s Gambler’s Blues

Agora vamos falar do Kabelo

Alexandre Fonseca, simplesmente Kabelo: essa fagulha emersa da pureza a incan-descer a irreverência. Qual criança que vibra com brinquedos barulhentos e consegue transformar seus barulhos em sons da alma, espontânea e destemida.
Kabelo é assim, não teme a crueza de seu estilo. Tocando baixo e cantando com energia roqueira, faz saltar do instrumento e de sua voz arranhada um autêntico calei-doscópio, no qual a desvairada geometria dos sons entremeia o rock, o rap, o soul, o funk, o coco e a embolada numa sucessão de sonoridades que giram entre o real e o i-maginário através de acordes libertários, palavras escrachadas, revelando a safadeza e a perspicácia de um moleque excitado, incontido e, por isso, capaz de tornar suave a aspe-reza de sua naturalidade.

Ouça este som.


Kabelo convive com a música desde os 12 anos, passando do piano para o baixo. Acostumado aos meandros do palco, foi roadie de Toquinho por 10 anos, ajeitando mi-crofones, ajudando a afinar instrumentos, arrumando partituras, enfim, eliminando os estorvos para o bom desempenho do artista principal. Criaram-se afinidades. Em meio a dedilhados casuais de Kabelo, surgia o incentivo de Toquinho: “Desse improviso pode sair uma melodia, cara! Você leva jeito, basta insistir, estudar…”.
Assim como Kabelo, também Toquinho carrega dentro dele uma criança a esprei-tar o mundo sem temer a espontaneidade. Isso reforça a afinidade entre os dois. Do vio-lão de Toquinho também salta um caleidoscópio onde giram acordes e harmonias capa-zes de acomodar o futuro e acolher novos talentos numa generosidade que independe de tendência musicais.
Entre Kabelo e Toquinho aconteceu de os opostos se conjugarem a ponto de nas-cer uma parceria. Na voluptuosa melodia de Kabelo, a letra de Toquinho define o ro-queiro: “Primata do non sense/ Rap das quebradas/ Funkeiro das esquinas/ Rock and roll e berimbau”. E lança uma previsão: “A gente ainda se cruza/ Em algum beco do universo/ Pois sou como você/ Um cosmonauta musical”. Aí Kabelo responde: “Teu som tem Jobim,/ Pixinguinha, tem Ary,/ Luiz Gonzaga, Noel Rosa/ e o baiano Dorival// Teu violão tem Baden,/ tem Paco, tem Paulinho,/ ritmo de samba/ de fundo de quintal.”
A previsão se dará no palco de Sesc Santana, no dia 19 de setembro, às 21h, quan-do o “baixo radioativo” de Kabelo e seu “suíngue sensual” se cruzarão com o virtuosis-mo do violão de Toquinho num espetáculo a enfatizar afinidades que valorizam a arte musical brasileira.

Texto criado por João Carlos Pecci. Saiba mais sobre o Kabelo clicando aqui.

Ed Motta – Orfeu


Acesse o Podcast do My Band’s clicando na imagem abaixo

images.jpg

DISCLAIMER
As opiniões emitidas nestes programas/blog/podcast são estritamente pessoais e não representam de forma alguma qualquer opinião profissional do apresentador/autor (Walter Rodrigues Vendas Filho), nem refletem necessariamente a opinião da empresa para a qual o autor trabalha. O autor não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários feitos por terceiros publicados neste blog, e não checa sua procedência nem veracidade; e reserva o direito de não publicar comentários que julgar ofensivos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s