Arquivo da categoria ‘Blues’

Walking Thru the Park

Publicado: 14/05/2008 em Blues

Vídeo gravado em 1966

Gary Brown

Publicado: 13/10/2007 em Blues, Bourbon Street, Gary Brown, New Orleans

Gary Brown

De 25 até 27 de outrubro e entre 31 e 09 de novembro de 2007, o público brasileiro terá a oportunidade de ver ao vivo nos palcos do Bourbon Street a performance de Gary Brow.

Pra quem não conhece, Gary Brow é um explosivo cantor e saxofonista de New Orleans que toca como ninguém, Jazz, Blues, Soul, R&B, Funk, e muito mais.

Não perca tempo, acesse o site do Bourbon Street e faça já a sua reserva, pois a casa bomba todas as noites.

Leia o que já foi escrito sobre o músico em uma de suas passagens pelo Brasil.

Maceió tem seu festival de Montreux

por FABIANNA FREIRE PEPEU

Flor branca na lapela, Gary Brown entra no palco. É quase domingo. Depois de alguns minutos e canções, o saxofonista americano deixa o palco e caminha entre as mesas. Vai espalhando acordes. É blues. Brown veste lilás. The Blues is Alright. Com seu gingado imbatível e um estilo, no mínimo, marcante, dá para entender rápido porque o músico toca há anos no 544 Club, uma das mais tradicionais casas da Bourbon Street, em New Orleans.

Mr. Brown volta ao palco. Let’s Groove. Tem, ainda, muitas canções a caminho. Afinal, ele não define com antecedência o repertório de seus shows e, sim, a partir do que está sentindo na hora da apresentação. “A música tem uma função terapêutica, devendo deixar as pessoas bem e felizes.” 90 minutos depois, entre Palco e Papel Maché, Gary Brown não dá sinais de cansaço. A platéia tampouco. Em coro diz yes, quando ele pergunta se querem mais.

À essa altura, mesas e cadeiras foram abandonadas. Todos dançam no gramado verde, que é de Brown e do blues. Generoso, o músico americano convida para uma jam session os integrantes da banda Big Allanbik, grupo brasileiro (apesar do nome e das intenções), que fez o show de abertura.

A festa ainda não acabou. Mesmo sem nenhuma indicação de chuva, um bluseiro abre e acena com uma guarda-chuva preto. Purple Rain. Duas horas depois, com breve intervalo para o bis, Brown se despede. O show parecia um dejà vu de um dia feliz.

Deus salve os gênios e incula ai o inventor(eres) do “video tape” que imortalizou o momento abaixo:

B.B. King + Albert Collins + Jeff Beck + Eric Clapton + Buddy Guy

John Lee HookerJohn Lee Hooker (22 de agosto de 1917 – 21 de junho de 2001) foi um influente cantor e guitarrista de blues americano, nascido em Clarksdale, Mississipi.

A carreira de Hooker começou em 1948 quando ele alcançou sucesso com o compacto “Boogie Chillen”, apresentando um estilo meio falado que tornaria-se sua marca registrada. Ritmicamente, sua música era bastante livre, uma característica que ele tinha em comum com os primeiros músicos de delta blues. Sua entonação vocal era menos associada à música de bar em relação aos outros cantores de blues. Seu estilo casual e falado errado seria diminuído com o advento do blues elétrico das bandas de Chicago mas, mesmo quando não estava tocando sozinho, Hooker mantia as características primordiais de seu som.

Ele o fez, entretanto, levando adiante uma carreira solo, ainda mais popular devido ao surgimento de aficcionados por blues e música folk no começo dos anos 60 – ele inclusive passou a ser mais conhecido entre o público branco, e deu uma oportunidade ao iniciante Bob Dylan. Outro destaque de sua carreira aconteceu em 1989, quando se juntou à diversos astros convidados, incluindo Keith Richards e Carlos Santana, para a gravação de The Healer, que acabaria ganhando um Grammy.

Hooker gravou mais de 100 álbuns e viveu os últimos anos de sua vida em São Francisco, onde era dono de um clube noturno chamado “Boom Boom Room”, nome este inspirado em um de seus sucessos.

Roy Buchanan

Publicado: 15/05/2007 em Blues, Guitarristas, Roy Buchanan

Roy BuchananRoy Buchanan, conhecido como “o melhor guitarrista desconhecido do mundo”, mestre da Fender Telecaster, era parte importantíssima de qualquer publicação sobre grandes guitarristas no início dos anos 70. Roy deu uma parada na sua carreira e, quando parecia que ia voltar, aconteceu o pior.

Depois de uma briga familiar, foi preso em Reston, Virginia. Roy Buchanan foi encontrado morto numa cela da delegacia para onde foi levado, enforcado na própria camiseta, no dia 14 de Agosto de 1988. Sa morte é coberta de mistérios e muitos não acreditam na tese de suicídio. Tinha 48 anos de idade.