Arquivo da categoria ‘Hip-Hop’

Anúncios

Sly Boogy

Publicado: 20/12/2007 em Hip-Hop, Sly Boogy

Thatz my Name

Hip-Hop

Publicado: 02/05/2007 em Hip-Hop

WalterHistória do Hip-hop

O Hip-Hop emergiu nos, no final da década de 60, nos subúrbios negros e latinos de Nova Iorque. Estes subúrbios, verdadeiros guetos, enfrentaram todo tipo de problemas: pobreza, violência racismo tráfico, carências de infra-estrutura, de educação, etc. Os jovens encontravam na rua o único espaço de lazer, e geralmente entravam num sistema de gangues (quem fazia parte de algumas das gangues, ou quem estava de fora, sempre conhecia os territórios e as regras impostas por elas), as quais se confrontavam de maneira violenta na luta pelo domínio territorial.

Esses bairros eram essencialmente habitados por migrantes latinos, vindos principalmente da Jamaica, por lá existiam festas de rua com equipamentos sonoros muito possantes que eram chamados de Sound System e em alguns lugares com carros de som chamados de “sound systems” (carros equipados com equipamentos de som, parecidos com trios elétricos). O Sound System foi levado para o Bronx em Nova Iorque pelo DJ Kool Herc, que com 12 anos migrou para os Estados Unidos com sua família, iludidos pelo American way of life,(estilo americano de vida) junto Herc levou o Toast (Modo de se cantar bem parecido com o RAP, com levadas bem fraseadas e rimas bem feitas, muitas das vezes bem politizadas e outras banais e sexuais)

Neste contexto nasciam diferentes manifestações artísticas de rua: música, dança, poesia e pintura. Os DJ’s Afrika Bambaataa, Kool Herc e Grand Master Flash, GrandWizard Theodore, GrandMixer DST (hoje DXT), Holywood e Pete Jones, entre outros, observaram e participaram destas expressões de rua, e começaram a organizar festas nas quais estas manifestações tinham espaço, assim nasceram as Block Parties.

Cada guangue encontra na arte uma forma de canalizar a violência a que viviam submersas, passam a freqüentar as festas e dançar break, competir com passos de dança e não mais com armas, essa foi a proposta de Afrika Bambaataa considerado hoje o padrinho da cultura Hip-Hop, o idelizador da junção dos elementos, criador do termo Hip-Hop e por anos e anos foi tido como “Master of records” (mestre dos discos), por sua vasta coleção de discos de vinil… DJ Hollywood foi um DJ de grande importância para o Hip-Hop, apesar de tocar ritmos mais Pops como a Discoteca, foi o primeiro a introduzir em suas festas MC’s que animavam com rimas e frases que deram inicio ao RAP. Os Mc’s que animavam as festas passaram a fazer discursos rimados sobre a comunidade, à festa e outros aspéctos da vida cotidiana. Taki 183, o grande mestre do Pixo fez uma revolução em Nova Iorque ao lançar suas Tags (assinaturas) por toda cidade, sendo noticiado até no New York Times da época… Depois dele vieram: Blade, Zephyr, Seen, Dondi, Futura 2000, Lady Pink, Phase 2, entre outros…

Em 12 de novembro de 1973 foi criada a primeira organização que tinha em seus interesses o Hip Hop, cuja sede estava situada no bairro do Bronx. A Zulu Nation tem como objetivo acabar com os vários problemas dos jovens dos subúrbios e ainda tem a crença em alienígenas (ainda que, posteriormente, tenha adquirido caráter universal), especialmente com o problema da violência. Começaram a organizar “batalhas” não violentas entre gangues com um objetivo pacificador. As batalhas consistiam em uma competição artística (para ilustrar o ambiente Hip Hop nos EUA na década de 80, recomendo o filme Wild Style, do diretor Charlie Ahearn, no qual aparecem grandes figuras de vital importância na construção do movimento, como o DJ Grand Master Flash), Beat Street, Style Wars (Graffiti), Fresh Kid B.boys e Scratch, documentários e filmes sobre a cultura Hip-Hop. Nascia assim o Hip Hop, aglutinando os 4 elementos básicos:

Hoje existem diversos grupos que representam a Cultura Hip Hop como: Movimento Enraizados, MHHOB, Zulu Nation Brasil, Casa de Cultura Hip Hop, Associação de Hip Hop de Bauru, H2P, Cedeca, Cufa (Central Única das Favelas), entre outros.É importante considerar que o berço do Hip Hop brasileiro é São Paulo, onde surgiu com força nos anos 80, dos tradicionais encontros na rua 24 de Maia e no metrô São Bento, de onde sairam muita gente que ainda está por ai, como Thaíde, Dj Hum, Styllo Selvagem, Região Abissal, Nill(Verbo Pesado), Sérgio Riky, Defh Paul, Mc Jack, Racionais Mcs, Doctors Mcs, Shary Laine, Mt Bronks, Rappin Hood entre outros.

DJ (disc-jockey)

Operador de discos, que faz bases e colagens rítmicas sobre as quais se articulam os outros elementos, hoje o DJ é considerado um músico, após a introdução dos scratches de GradMixer DST na música Rock it de Herbie Hancock, que faz parte da música, e não apenas um efeito, incremento ou Break da música. O Break-beat, é a criação de uma batida em cima de músicas já existentes, uma especie de LOOP, seu criador DJ Kool Herc, desenvolveu esta técnica possibilitando B.Boys a dançarem e MC’s a cantarem… O Beat-Junkie, já é a criação de músicas pelos DJ nos toca-discos, com discos e músicas diferentes…Há diversos tipos de DJ’s, há DJ de grupo, de baile/festas/aniversários/eventos em geral e o mais desconhecido porém não menos relevante, pelo contrário, o DJ de competição. Este por sua vez, faz da técnica e criatividade, os elementos essências para despertar e prender a atenção do público. Um DJ de competição é um DJ que desenvolve e realiza performances contendo scratchs, batidas e até frases recortadas de diferentes discos (samples). Esses DJ’s competem entre si usando todo e qualquer trecho musical de um vinil. Um exemplo de DJ de competição do Brasil é o DJ DaMente de São Paulo.

MC (master of cerimonies)

Porta-voz que relata, através de articulações de rimas, os problemas, carências e experiências em geral dos guetos. Não só descreve, também lança mensagens de alerta e orientação, o MC tem como principal função animar uma festa e contribuir com as pessoas para se divertirem, muitos MC´s no início do Hip-Hop davam recados, mandavam cantadas e simplesmente animavam as festas com algumas rimas…

Nada será feito sem a interação dos 4 elementos do Hip-Hop… O RAP não será Rap se não houver graffiti, o DJ não será DJ (de Hip-Hop) senão houver B.Boys dançando, e assim por diante segue toda a cultura, senão o Hip-Hop não é Hip-Hop, e sim RAP, Graffiti, DJ e B.Boy.

Grafitti

“Expressão plástica”, “pinturas” geralmente feitas com latas de Spray… Em muros,escolas, metros, etc. Sendo considerado por muitos uma forma de arte, diferente do “picho”, que têm outra função de apenas deixar sua marca, diferente do graffiti, que é usado por muitos como forma de expressão e denúncia.

Beatbox

Publicado: 02/05/2007 em Beatbox, Hip-Hop

WalterEu bem que avisei que este blog é absolutamente democrático em relação aos diferentes estilos musicais.

Pois bem, neste post vamos falar e mostrar um pouco de beatbox

O termo beatbox (que, a partir do inglês, significa literalmente caixa de batida) refere-se a percussão vocal do hip-hop. Consiste na arte em reproduzir sons de bateria com a voz, boca e cavidade nasal. Também envolve o canto, imitação vocal de efeitos de DJs, simulação de cornetas, cordas e outros instrumentos musicais, além de outros efeitos sonoros.

Dá uma olhada nesta figura no mínimo bizarra que leva uma batida muito cool. Embora o vídeo tenha sido bem editado, não deixa de perder a qualidade da tocada.

BeatBox

Prince

Publicado: 30/03/2007 em Funk, Hip-Hop, Prince, R&B, Soul

PrincePrince Rogers Nelson nasceu em 7 de junho de 1958 em Minneapolis, Minnesota, EUA. É um talentoso multiinstrumentista, músico e dançarino. Sua música mescla diversos gêneros musicais como funk, R&B, soul, new wave, jazz, rock, pop e hip hop.

Prince tem a habilidade de juntar elementos de todos estes estilos musicais fazendo uso de sintetizadores e baterias eletrônicas desde o início de sua carreira no fim dos anos 1970, tornando conhecido o som de Minneapolis, que influencia muitos artistas até hoje.

Prince tem a reputação de ser um workaholic, seja trabalhando em suas músicas ou produzindo outros artistas até o ponto de deixar muito material inédito na gaveta. Considerado um perfeccionista, Prince tem a imagem de uma pessoa difícil de se trabalhar e por ser altamente protetor de sua música. Escreve, compõe e produz todas as suas músicas. Também toca todos os instrumentos em seus álbuns. Muitos críticos elogiam seu trabalho por sua versatilidade em compor, tocar, cantar e dançar, fazendo de sua performance em palco algo extraordinário.

Prince Rogers Nelson é filho de John L. Nelson e Mattie Shaw. Seu pai tocou em um trio de jazz chamado Prince Rogers Trio, daí a inspiração para seu nome. Em uma entrevista à revista Rolling Stone em 1985, Prince declarou que seu pai é descendente de afro-americanos e sua mãe é branca, mistura de várias etnias. Após o nascimento de sua irmã, Tika Evene em 1960, os pais de Prince foram se distanciando até se separarem. Sua mãe se casou novamente mas a convivência com seu padastro não era boa, o que o fez morar momentaneamente com seu pai, que lhe comprou a primeira guitarra. Nesse tempo, Prince fez amizade com uma família vizinha, os Andersons, especificamente com o filho deles, Andre Anderson. Prince e Andre se juntaram ao primo de Prince, Charles Smith e formaram uma banda chamada Grand Central. Prince se encarregou da parte instrumental da banda, tocando em pequenos clubes de Minneapolis. O conhecimento musical de Prince foi se desenvolvendo e logo ele se tornou o principal membro da banda e também o vocalista. Era então influenciado por James Brown, Jimi Hendrix e Sly and Family Stone.

Em 1976, Prince começa a trabalhar como aprendiz no estúdio de Chris Moon, que o apresenta a Owen Husney. Husney percebe o potencial de Prince e investe em sua carreira junto com Pepe Willie. O primeiro álbum de Prince sai pela Warner Bros. em 1978 e chama-se For You. Todas as músicas deste álbum foram escritas e executadas por Prince, exceto Soft and Wet. O álbum teve vendagem modesta, não entrando nem entre as 200 da Bilboard, sendo Soft and Wet o único hit que até foi bem executado nas paradas R&B.

Em 1979, Prince organizou sua banda com Andre Cymone (nome artistico de Andre Anderson) no baixo, Gayle Chapman e Matt Fink nos teclados, Bobby Z na bateria e Dez Dickerson na guitarra. Prince propositalmente formou uma banda multi racial, misturando brancos e negros como uma banda que o influenciou muito, Sly and Family Stone. Seu segundo álbum, entitulado ” Prince” entrou no Bilboard 200 e teve dois hits, Why You Wanna Treat Me So Bad ? e I Wanna Be Your Lover.

Estes dois hits foram tocados ao vivo em 26 de Janeiro de 1980 na tv no programa American Banstand. Prince chamou a atenção pelas suas roupas coloridas, que vestiam seu 1,60 de altura, turbinados pelas botas de salto alto. Quando questionado pela imprensa a respeito de seu figurino, ele declarou que se sentia bem com seu visual. Em seus primeiros anos Prince se vestia provocantemente. Esta ostentação e o fato de se expressar sexualmente no palco e nas letras de suas músicas fizeram o público questionar sua orientação sexual. Isto lhe trouxe problemas como na ocasião em que abriu os shows dos Rolling Stones em Los Angeles no Los Angeles Coliseum em 1981, quando a platéia atirou lixo nele quando vestia um casaco e cueca, sendo vaiado até sair do palco. Em 1980, Prince lança Dirty Mind, seu terceiro álbum. Na banda, Lisa Coleman substitui Chapman, que sai após seus principios religiosos falarem mais alto em protesto às letras de teor sexual de Prince. Dirty Mind é notavelmente conhecido por seu conteúdo sexualmente explícito. Prince abriu os shows para Rick James em 1980 sob o rótulo de “punk funk” aplicado a ambos.

Controversy é lançado em 1981, com o single de mesmo nome entrando pela primeira vez nas paradas internacionais em fevereiro de 1981. Prince simultaneamente à sua carreira, também produz o álbum da banda The Time de Morris Day, colaborando com Vanity, Apollonia e Sheila E. Escreveu hits para artistas como Sheena Easton e The Bangles. Suas músicas receberam covers de Tom Jones, Chaka Khan e Sinéad O´Connor, com Nothing Compares To You de 1990.

Gravou ainda com Madonna, Cindy Lauper, Kate Bush, Rosie Gaines e Sheryl Crow. Como compositor, uma curiosidade é a canção “Manic Monday”, da extinta banda californiana feminina Bangles (liderada por Suzanna Hoffs), que Prince compôs sob o pseudônimo de Christopher.

Prince na década de 80 teve a banda The Revolution acompanhando-o e na década de 90 formou The New Power Generation. Em 1982 lança 1999, um álbum duplo que vendeu mais de 3 milhões de cópias. Os hits deste álbum, como Little Red Corvette e 1999 o consagraram como um dos principais artistas negros da época, ao lado de Michael Jackson e Lionel Richie na ainda iniciante MTV. Delirious, outro hit, alcançou o top 10 da Bilboard Hot 100.

Mas é em 1984 que Prince dá a cartada final para se tornar um superstar. Purple Rain é lançado junto com o filme de mesmo nome. O disco vendeu mais de 13 milhôes de cópias e ficou 24 semanas consecutivas na parada do Bilboard 200. O filme, definido pelo crítico Joe Queena como “sexista, juvenil e mentecapto”, arrecadou somente nos EUA, 80 milhões de dólares nas bilheterias. Purple Rain provou que Prince era um sucesso, um superstar. Duas faixas de Purple Rain, “When Doves Cry” e “Let´s Go Crazy” chegaram ambas no topo dos singles dos EUA e viraram hits internacionais, enquanto a faixa título chegaria ao número 2 do Bilboard Hot 100. Simultaneamente, Prince aparecia como estrela do filme, single e álbum número 1 dos EUA. Prince ganha ainda o prêmio de melhor canção original da Academia por Purple Rain além de melhor trilha sonora de filme, e o álbum foi escolhido pela Rolling Stone como um dos 500 melhores álbuns de todos os tempos.

Mas nem tudo era sucesso, e em 1986 Prince lança seu segundo filme Under The Cherry Moon, que foi um retumbante fracasso, que lhe fez ganhar o “Framboesa de Ouro”, prêmio dado ao pior ator daquele ano. Antes, em 1985, Prince lança Around The World In A Day, que chegou ao número 3 das paradas americanas. A faixa “Raspberry Beret” chega ao número 2 do Bilboard Hot 100.

Em 1986, Prince grava Parade, que foi trilha sonora do filme Under The Cherry Moon, sendo a faixa “Kiss” número 1 da parada norte-americana. Sign O´The Times, lançado em 1987 como álbum duplo recebe várias críticas positivas e entra para a lista dos 100 melhores álbuns de todos os tempos da Rolling Stone e da revista Time, sendo eleito ainda o melhor doa anos 80. Em 1987 Michael Jackson convida Prince para um dueto em seu álbum Bad, mas diferenças artísticas puseram fim ao projeto.

Também em 1987 Prince lança The Black Album, feito para o público negro que supostamente ele perdera por ter feito muitos álbuns “brancos”. Misteriosamente este álbum foi cancelado e seria lançado oficialmente somente em 1994. Seu álbum seguinte, Lovesexy desaponta nas paradas, chegando apenas em décimo primeiro. Em 1989 Prince volta ao número 1 com o hit “Batdance” da trilha sonora do filme Batman. Seu álbum seguinte Graffiti Bridge fica em sexto nos EUA e em primeiro na Inglaterra. Diamonds And Pearls, álbum lançado em 1991, marca a estréia de sua nova banda, New Power Generation. Seu álbum seguinte, décimo segundo de sua carreira, chama-se The Love Symbol Album, que chega ao décimo lugar da parada americana.

Em 1993, ele muda seu nome para um símbolo impronunciável, que junta os símbolos masculino e feminino. Como é um símbolo impronunciável, Prince se autodenominou ” o artista formalmente conhecido como Prince ou simplesmente “o Artista“. Prince tomou esta atitude por causa da briga judicial com sua gravadora Warner Bros. a respeito dos direitos sobre suas músicas. Em 1993, por requisição da Warner Bros., Prince lança uma caixa com 3 cds chamada The Hits/The B-Sides. Lançado em 1994, Come é um fracasso comercial.

Em 1995 lança “The Gold Experience” que emplaca um único hit “The Most Beautiful Girl In The World”. Seu álbum seguinte Chaos And Disorder é o último pelo selo Warner Bros. Livre das obrigações contratuais, lança ainda em 1996 o álbum Emancipation.No Valentine´s day de 1996 Prince se casa com Mayte Garcia, uma dançarina de sua banda. Em 1997 nasce seu filho, mas infelizmente morre após o nascimento, vítima de uma rara doença. Este evento trágico desencadeou problemas conjugais que levaram ao anulamento de seu casamento em 1998.

Infelizmente os vídeos do Prince foram retirados do ar.