Arquivo da categoria ‘Pop’

Pet Shop Boys

Publicado: 19/11/2007 em Música Pop, Pet Shop Boys, Pop

180px-psb-live-in-sp.jpg

Pet Shop Boys é uma dupla musical inglesa formada por Neil Francis Tennant e Christopher Sean Lowe no início dos anos 80.

De grande sucesso na atualidade, é um dos responsáveis pela ascensão da música pop nas últimas décadas, sendo considerados a maior dupla pop/eletrônica, por crítica e ouvintes, devido ao Pop que produzem, com letras inteligentes e diferentes, beleza original com ritmos variados e dançantes, tudo isso sob a voz marcante do compositor Neil Tennant e a produção musical de Chris Lowe.

São a dupla de maior sucesso na história do Pop Inglês, com 36 músicas no top 20 e 10 álbuns top 10 na Inglaterra, atingindo vendas superiores a 55 milhões de discos no mundo inteiro. Em dezembro de 2006, os Pet Shop Boys foi indicado a 2 Grammy Awards por Best Dance Recording (I’m With Stupid) e Best Electronic/Dance Album (Fundamental – EMI).

Seus maiores sucessos incluem as canções West End Girls, Domino Dancing, It’s A Sin, Always On My Mind (versão original de Elvis Presley) e Go West (versão original do Village People).

Neil Francis Tennant nasceu em 1954, no dia 10 de julho, em North Shields, Inglaterra. Em 1959, quase 5 anos depois, em 4 de outubro, nascia Christopher Sean Lowe, em Blackpool, também na Inglaterra. A inclinação para a música começou cedo: Neil compunha desde os 11 anos de idade e Chris tocava trombone e piano também desde pequeno. Entre 70 e 71, Neil tocou violão e cantou numa banda folk chamada Dust. Em 72, mudou-se para Londres para estudar história na Polytechnic of North London. Começou a trabalhar como editor correspondente da Marvel Comics, passando por outras duas editoras e finalmente foi parar na revista Smash Hits, especializada em música pop. Chris chegou a ser tecladista numa banda heavy chamada Stallion, na escola onde estudava. Na mesma escola fazia parte da orquestra tocando trombone, além de ser um dos 7 integrantes de uma banda de jazz local: One Under The Eight. Em 78 foi estudar Arquitetura na Liverpool University. Os dois se conheceram em 81, numa loja de discos de King’s Road – Neil já trabalhava como crítico musical e Chris estagiava como arquiteto. De um simples bate-papo sobre gostos musicais surgiram os Pet Shop Boys. No início eles se denominaram “West End” (região da Inglaterra), mas depois adotaram definitivamente o nome “Pet Shop Boys” por causa de uns amigos de Chris que trabalhavam numa loja de animais de estimação (Pet Shop).

Música

  • Elvis Presley – Gravaram em 1987 a música Always On My Mind, canção gravada por Elvis em 1972, só que simplesmente essa canção não era conhecida do grande público, o que só viria a acontecer dez anos mais tarde com a regravação de Willie Nelson e logo depois a versão dos Pet Shop Boys. No entanto a primeira gravação ocorreu também em 1972 com a cantora Brenda Lee. Os compositores são Wayne Thompson, Mark James (Suspicious Minds) e Johnny Christopher.
  • Dusty Springfield – Dueto em What Have I Done To Deserve This? e composições da dupla em um de seus álbuns;
  • Liza Minelli – Os Pet Shop Boys produziram e compuseram para o seu álbum Results;
  • Eigth Wonder – Gravou I’m Not Scared, de autoria da dupla;
  • Sterling Void – Gravaram It’s Alright, regravada pelos Pet Shop Boys em 1988;
  • Robbie Williams – Regravou I Wouldn’t Normally Do This Kind Of Thing e em dueto na música She’s Madonna
  • U2 – Autores de Where The Streets Have No Name, regravada pelos Pet Shop Boys em 1990;
  • Electronic – Os Pet Shop Boys colaboraram em 2 faixas do seu álbum de estréia e, mais tarde, no single Disappointed;
  • Kylie Minogue – Gravou Falling e fez um dueto em In Denial, ambas de autoria dos Pet Shop Boys.
  • Tina Turner – Gravou Confidential, escrita pelos Pet Shop Boys.
  • David Bowie – Dueto com os Pet Shop Boys em Hello Spaceboy.
  • Elton John – Dueto com os Pet Shop Boys em Believe/Song For Guy, que foi executada inicialmente em um programa de TV e depois gravada em estúdio (ainda não lançada).
  • Frankie Valli – Na música “Where The Streets Have No Name” do U2 ela é misturada com a música “Can’t Take My Eyes Off You” de Frankie Valli.
  • Boy George – Na Música “The Crying Game”, da trilha sonora de um filme de mesmo nome, os Pet Shop Boys fizeram o instrumental e os backingvocals, ficando os vocais a cargo de Boy George.
  • Village People – Os Pet Shop Boys regravaram Go West do Village People que se tornou um dos seus maiores hits.

Outros

  • Derek Jarman – o cineasta inglês foi responsável pelos videos de It’s A Sin e Rent e de filmes projetados na turnê Highlights, entre outros.
  • Zaha Hadid – a renomada arquiteta iraquiana projetou o palco da turnê Nightlife

Go West

Go West foi lançada como single em 6 de Setembro de 1993, embora seja um cover do grupo Village People. Foi tocado pela primeira vez pelos Pet Shop Boys em Hacienda, um ano antes. A idéia do cover Go West partiu de Chris Lowe (tecladista dos Pet Shop Boys). Ele estava em seu apartamento tocando, como algumas vezes faz, o álbum Greatest Hits do Village People, quando pensou que Go West seria uma ótima música a ser tocada, uma música sobre idealizações e também uma utopia gay e que, cantada por Neil Tennant (vocalista dos Pet Shop Boys) soaria esperançosa, já que a letra é muito inspiradora mas parece que o objetivo nunca é alcançado. O vídeo, com cenas na Praça Vermelha de Moscou, cativa um lado que faz lembrar a Guerra Fria, com os Pet Shop Boys fantasiados, Neil de Azul e Chris de Amarelo, ambos com “capacetes” azul e amarelo na cabeça.

Pet Shop Boys e o Brasil

A dupla se apresentou ao vivo no Brasil em várias ocasiões. A primeira vez foi em 1994, quando realizou shows no Rio de Janeiro, depois em São Paulo. Em 2004 eles voltaram ao país, apresentando-se uma vez apenas, em São Paulo. Em 2007, eles fizeram cinco shows da turnê do álbum “Fundamental”; sendo que foram dois shows em São Paulo, um no Rio De Janeiro, um em Belo Horizonte e um em Porto Alegre.

Musicalmente, a dupla mostrou influências assumidamente brasileiras no álbum Bilingual, de 1996, onde utilizaram um excerto da obra da artista Astrud Gilberto e sons de percussão semelhante ao grupo Olodum.

Homossexualidade

Com seu vocalista assumidamente gay e diversas referências em seus clipes, o grupo também é um dos ícones da comunidade gay ao redor do mundo. Ao mesmo tempo, fazem questão de não direcionar a maior parte de sua obra para este tema, alcançando assim todos os tipos de fãs.

Álbuns

  • Please (1986) (com 7.000.000)
  • Disco (1986) (com 3.000.000)
  • Actually (1987) (com 5.000.000)
  • Introspective (1988) (com 4.000.000)
  • Behaviour (1990) (com 3.000.000)
  • Discography (1991) (com 8.000.000)
  • Very (1993) (com 6.000.000)
  • Disco 2 (1994) (com 2.000.000)
  • Alternative (1995) (com 2.000.000)
  • Bilingual (1996) (com 2.000.000)
  • Nightlife (1999) (com 3.000.000)
  • Release (2002) (com 2.000.000)
  • Disco 3 (2003) (com 1.000.000)
  • Pop Art – The Hits (2003) (com 2.000.000)
  • Fundamental (2006) (com 2.000.000)
  • Concrete (2006) (com 2.000.000)
  • Disco 4 (2007)

Trilhas Sonoras

  • Psycho (1998) – a música “Screaming” aparece na trilha sonora oficial desta nova versão do clássico “Psicose”, de Alfred Hitchcock, mas não está presente no filme.
  • Closer to Heaven (2001) – da peça homônima de Jonathan Harvey.
  • Battleship Potemkin (2005) – do filme O Encouraçado Potemkin, em colaboração com a Sinfônica de Dresden.
Anúncios

Jamiroquai

Publicado: 01/11/2007 em Jamiroquai, Pop

 jamiroquai-712619.jpg

Origem: Londres (Inglaterra)

Integrantes: Jason Kay – J.K. (vocal), Rob Harris (guitarra), Sola Akingbola (percussão), Derrick McKenzie (bateria), Matt Johnson (piano e teclado), Paul Turner (baixo)

Início: 1992 com o single “When You Gonna Learn?”

Estilo: soul, pop, club, dance, funk

Álbuns: “Emergency on Planet Earth” (1993), “The Return of the Space Cowboy” (1995), “Travelling Without Moving” (1996), “Synkronized” (1999), “A Funk Odyssey” (2001) e “Dynamite” (2005)

Sucessos: “Space Cowboy”, “Light Years” (“The Return of the Space Cowboy”); “Alright”, “Cosmic Girl”, “Virtual Insanity” (“Travelling Withou Moving”); “Canned Heat”, “Supersonic” (“Synkronized); “Little L”, “You Give Me Something”, “Feels Just Like It Should” (“Dynamite”) “(Don’t) Give Hate A Chance”, “Seven Days In Sunny June” (“Dynamite”)

Destaques: Em 1997, venceu o Grammy de Melhor Performance Pop por “Virtual Insanity”. “Travelling Without Moving” ultrapassou a marca de 1 milhão de cópias vendidas.

Curiosidade: O nome Jamiroquai é uma combinação entre o nome da tribo de nativos americanos Iroquois e o palavreado musical “jam”. A mãe de J.K., Karen, já foi cantora de jazz e teve seu próprio programa de TV nos anos 70.

Site Oficial: www.jamiroquai.com

Matéria publicada na Folha Online, o melhor conteúdo.

The Smiths

Publicado: 14/06/2007 em Indie, Pop, The Smiths

smi.jpg

The Smiths é uma banda inglesa, surgida na cidade de Manchester e bastante popular na década de 1980. Sua música já recebeu diversas classificações ao longo dos anos, seja como alternativa, pop, indie ou até mesmo o abrangente (e genérico) rótulo de Rock Inglês. O grupo existiu formalmente entre 1982 e 1987, alcançando o sucesso em seu país em 1984. O nome é uma curiosidade: Smith é o sobrenome mais popular na Inglaterra (equivale ao Silva, em português). O objetivo era mostrar que a banda era formada de pessoas comuns. Entre seus principais sucessos destacam-se as canções The Boy With The Thorn In His Side, How Soon Is Now, This Charming Man, Ask, Heaven Knows I’m Miserable Now, Bigmouth Strikes Again, Panic.

Steven Patrick Morrissey após ter deixado a escola, sentiu-se “perdido”, ficando em casa a ler e a escrever para passar o tempo. Para além de alguns artigos que escrevia para um jornal local, formou o clube de fãs dos The New York Dolls em Inglaterra. Tentou a sua sorte numa banda que não deu em nada, os “Nosebleeds” (o guitarrista desta banda viria a tocar nos The Cult).

Até que certo dia em 1982, na sua terra natal, Manchester, Johnny Marr (John Maher) um guitarrista sem grande sucesso noutras bandas mas com grande talento sugeriu a Morrissey, escrever letras para as músicas que andava a compor.

No inicio apenas pretendiam fazer músicas para vender a outros artistas, mas pouco tempo depois decidem avançar para formar uma banda. Andy Rourke no baixo e Mike Joyce na bateria, foram posteriormente chamados para se juntarem à banda.

Morrissey escolhe o nome mais banal possível, The Smiths, em contraste com os nomes complicados e pomposos que as bandas escolhiam na altura (OMD, Depeche Mode…). As roupas que usavam em palco, simples e comuns, uma vez mais em contraste com as bandas “New Romantics” da altura que cultivavam o “choque” visual (esta atitude nos faz lembrar de outra destacada banda alternativa da época, os The Cure, já que Robert Smith também nunca quis um nome pomposo e complicado). Pessoas comuns a fazerem música era o que eles pretendiam demonstrar com esta envolvente. Os Smiths pretendiam também voltar a dar à guitarra o estatuto de instrumento privilegiado, rompendo com o panorama musical desta altura.

Depois de alguns ensaios e concertos assinam pela “Rough Trade”, uma pequena editora independente na primavera de 1983. O primeiro single da banda foi “Hand In Glove”; ele tornou-se sensação nas tabelas independentes mas é com o segundo single “This Charming Man” deste mesmo ano que a banda consegue obter um verdadeiro “hit” tornando-se o maior sucesso de vendas de sempre da “Rough Trade”. “What Difference Does It Make” é outro single que também contribuiu para uma onda crescente de fãs ajudada pelas críticas fantásticas que a imprensa lhes dedicava.

A banda gera alguma controvérsia por alegadamente duas das suas canções que eram passadas na “BBC Radio”, “Reel Around The Fountain” e “Handsome Devil” serem condescendentes em relação á pedofilia. Acusações que Morrissey refutou categoricamente. Outra música que gerou algumas “más-linguas” foi a “Suffer Little Children” originalmente denominada “Over The Moors” e é acerca dos assassinatos perpetrados por dois homicidas patológicos em Manchester. Apesar de ser uma homenagem sentida às vitimas que eram da sua idade quando se deu a tragédia e que o afetou profundamente, pensou-se que seria uma maneira evidente de chamar a atenção, pois foi um dos crimes mais mediáticos de todos os tempos no Reino Unido.

Com todos estes antecedentes e já com uma vasta legião de fãs, os Smiths gravam o seu primeiro LP. Em 1984 sai o primeiro álbum, com o mesmo nome que o grupo, The Smiths, que atinge o nº 2 do Top do Reino Unido e é bastante aclamado pela crítica. Este álbum é particularmente importante porque vinha contrapor a tendência do synth pop. Além dos singles anteriormente editados, este álbum conta com as excelentes “Still Ill” e “Pretty Girls Make Graves”.

Ainda em 1984 lançam dois singles que não tinham sido incluídos no álbum de estreia, “Heaven Knows I’m Miserable Now” que foi o primeiro single da banda a atingir o top 10 britânico, e “William, It Was Really Nothing” que julga-se ser escrita acerca do seu amigo, Billy Mackenzie, vocalista dos “The Associates”. O compacto tinha como B-Side uma das músicas mais famosas dos The Smiths, “How Soon Is Now”.

Meat Is Murder é o segundo álbum da banda e entra directamente para nº 1 em 1985. É um álbum politizado e que marca o início de uma serie de entrevistas politizadas de Morrissey, nas quais curiosamente critica as mesmas pessoas que o Robert Smith: Margaret Thatcher e a sua administração, a familia real, o Live Aid e pessoas como Madonna e George Michael.

Este álbum foi precedido da edição do anterior b-side “How Soon Is Now” como single que ajudou em grande parte ao “Meat Is Murder” a conseguir o primeiro lugar nas paradas.

Mais três singles foram editados, “Shakespeare’s Sister”, “That Joke Isn’t Funny Anymore” e “The Boy With The Thorn In His Side”.

Em julho de 1986 os Smiths lançam o disco que muitos consideram ser sua obra-prima: The Queen Is Dead. Para a “SPIN Magazine” foi mesmo considerado o melhor álbum de sempre e para a “Melody Maker”, “NME” entre outras publicações incluem este álbum no top 10.

Destaque para os singles “Bigmouth Strikes Again”, “The Boy With The Thorn in His Side” e “There Is A Light That Never Goes Out”, e “I Know It’s Over”, uma das mais melancólicas letras de Morrissey.

É nesta altura, entretanto, que começam a surgir os problemas. Divergências com a “Rough Trade” que fizeram com que o lançamento do álbum tivesse sido adiado; Johnny Marr estava exausto e andava a beber demais e certas pessoas começavam a fazer-lhe crer que não precisava do Morrissey; Rourke foi demitido da banda por problemas com heroína, mas acabou por regressar, apesar de ter sido momentaneamente substituído por Craig Gannon. Após o regresso de Rourke, Gannon fez segunda guitarra até ao fim da tour.

Em meio ao ambiente tumultado que tomava conta da banda, são lançados dois compactos, “Panic” e “Ask”, canções mais animadas do que a banda costumava fazer. Ambos são bem-sucedidos nas vendas, atingindo 11º e 14º lugares, respectivamente.

1987 é o ano da fatalidade, do confronto final de egos entre Johnny Marr e Morrissey, duas pessoas brilhantes mas com visões diferentes quanto ao rumo a seguir e assim chega ao fim uma das colaborações mais frutuosas da história da música e procedem ao desmantelamento da banda. Mas antes ainda editam o single “Sheila Take A Bow” (o qual foi #10 nas paradas) e Strangeways, Here We Come que incluí belas canções como “Last Night I’ve Dreamt That Somebody Loved Me”, “I Started Something I Couldn’t Finish”, “Death Of A Disco Dancer”, “Girlfriend In A Coma”, entre outras. O álbum alcança o nº 2 do top do Reino Unido.

Depeche Mode 

Enjoy The Silence

Precious

Everything Counts

David Bowie – Absolute Beginners

Seal

Publicado: 28/04/2007 em Pop, Seal

O grande Seal numa performance em vídeo fantástica.

Crazy

Kiss from a Rose

Duran Duran – Save a Prayer

Publicado: 28/04/2007 em Duran Duran, Pop

Esta música é simplesmente linda, na minha opinião, um dos hinos dos anos 80.

Duran Duran Save a Prayer